Browsing articles in "Kinesiologia"
May 2, 2018

6 benefícios demonstrados da própolis de abelha

própolis de abelha

As abelhas produzem própolis recolhendo resina de pinheiro e outras árvores de folha perene. Misturam a resina com copos de cera e pólen e levam-na para a colmeia. Utilizam esta mistura para reparar orifícios, selar gretas e construir painéis na colmeia.

Mas a própolis faz mais que isto. Também atua como uma barreira antissética que protege a colmeia contra a contaminação e de invasores externos como ratos, serpentes e lagartos. De facto, o nome própolis tem origem no grego que significa “defesa da cidade”.

As propriedades antimicrobianas da própolis protegem a colmeia contra vírus e bactérias. Os investigadores descobriram que as abelhas que vivem em colmeias com própolis têm menos bactérias no corpo e também um melhor sistema imunitário.

E a própolis não beneficia apenas as abelhas. Durante milhares de anos, os praticantes de medicina popular utilizaram a própolis de abelha para tratar abscessos, curar feridas e combater infeções. De facto, constava como um medicamento oficial nas farmacopeias de Londres do século XVII.

Estudos recentes confirmam que a própolis contempla uma elevada lista de benefícios para a saúde. Existem mais de 2.000 estudos sobre a própolis. Seguem-se alguns dos seus benefícios para a saúde.


Ação antimicrobiana

A própolis tem uma vasta gama de propriedades antibacterianas. Também tem poderes antifúngicos e antivirais.  Nas crianças, ficou demonstrado que a própolis:

  • Previne as infeções do trato respiratório
  • Remedia os sintomas da constipação comum
  • Previne as infeções do ouvido médio

 

 

própolis

Cura queimaduras

A própolis pode promover a cura de queimaduras menores. Os investigadores compararam um creme para a pele com própolis com sulfadiazina de prata, um medicamento utilizado para tratar queimaduras. Os resultados do estudo mostraram que a própolis é tão eficaz como o medicamento no tratamento de queimaduras de segundo grau.


Previne cáries dentárias

Os médicos gregos e romanos usavam a própolis como desinfetante oral. Estudos recentes demonstram que pode ser eficaz o tratamento da periodontite e a gengivite.

Vários estudos também demonstraram que os extratos da própolis de abelha limitam a placa bacteriana e reduzem a cárie dental.

Vários outros estudos mostraram inclusivamente que pode ajudar a regenerar a polpa dentária,  bem como o tecido ósseo, e a cartilagem.


Tratamento de parasitas

Os testes preliminares mostram que a própolis pode eliminar os parasitas. Num dos estudos, as pessoas que tomaram própolis registaram uma taxa de êxito de 52 a 60% de eliminação de giardíase.


Eliminação de verrugas

Num ensaio simples, cego, aleatório com duração de 3 meses, 135 pacientes com diferentes tipos de verrugas receberam própolis orais, equinácea ou um placebo. Os pacientes com verrugas comuns obtiveram uma taxa de cura entre 75% e 73%, respetivamente. Os resultados foram significativamente melhores que os associados à equinácea ou o placebo.

Ajuda contra o cancro de:

  • Cérebro
  • Pâncreas
  • Cabeça e pescoço
  • Rim e bexiga
  • Pele
  • Próstata
  • Peito
  • Cólon
  • Fígado
  • Sangue

 

A própolis é extremamente complexa e contém até 300 compostos ativos. Foi descoberto que estes componentes ajudam no tratamento do cancro de várias formas, entre as quais:

  • Prevenir o crescimento de novos vasos sanguíneos para alimentar as células cancerígenas
  • Prevenir a disseminação ou metástase do cancro de um órgão para o outro
  • Impedindo a divisão de células cancerígenas
  • Induzir apoptose ou morte celular programada

Para além disso, também se descobriu que a própolis mitiga os efeitos secundários ou a toxicidade dos medicamentos de quimioterapia utilizados no tratamento do cancro.

Apr 17, 2018

Relação entre as insónias e a microbiota intestinal

as insónias e a microbiota intestinal

O corpo humano é um organismo extremamente inteligente e intrincadamente desenvolvido. Das células aos sistemas orgânicos, existe uma ordem meticulosa, uma comunicação consistente e a retroalimentação continua dessa forma a manter a homeostasia do corpo. A microbiota intestinal contribui para esta homeostasia através da realização de uma ampla variedade de funções fisiológicas, que vão desde a produção de energia e a modulação imune até à produção de nutrientes, hormonas e neurotransmissores.

Os investigadores demonstraram uma relação bidirecional entre os ritmos circadianos e o microbioma; por exemplo, descobriram que a alteração dos ritmos circadianos, como acontece nos casos de jet lag, interrompe a microbiota intestinal, incluindo a sua diversidade.
Foi sugerido que os ritmos circadianos afetam a motilidade intestinal, a desintoxicação do fígado e o transporte de nutrientes. Ao interromper o ritmo circadiano ou o ritmo do microbioma, pode dar-se o caso da intolerância à glucose, aumento de peso e alterações metabólicas.

Uma investigação recente demonstrou que os micróbios intestinais não permanecem na mesma posição ao longo do dia; em vez disso, migram durante o dia.
De tal forma que o ritmo do microbioma pode ser influenciado por vários fatores: a hora do dia em que ingerimos alimentos, o tipo de alimentos que ingerimos e pelo nosso próprio ritmo cardíaco. Ser constante nos nossos hábitos diários e fazer escolhas saudáveis ajuda a manter um ritmo circadiano devidamente regulado.

microbiota intestinal

O microbioma e os neurotransmissores 

Um neurotransmissor que influencia significativamente os padrões do sono é a serotonina. Como já tínhamos referido, cerca de 80% da serotonina é produzida pelas bactérias intestinais. (Mais concretamente, as bactérias Streptococcus , Escherichia cepas, e Enterococcus)

A serotonina influencia o ciclo do sono / vigília de duas formas: Em primeiro lugar, contribui para obter ótimos padrões de sono através da sua transformação em melatonina. Em segundo lugar, regula o estado de ânimo através do alívio da ansiedade ou da depressão.

 Os níveis elevados de stresse podem diminuir os níveis de serotonina e causar a interrupção do sono.

Outro neurotransmissor produzido pelas bactérias intestinais é o ácido gama-amino butírico (GABA). Os seus efeitos ansiolíticos e relaxantes promovem um sono calmo ao diminuir as ondas cerebrais beta e aumentar as ondas cerebrais alfa.

O nosso ritmo circadiano e o ritmo do microbioma têm uma relação bidirecional.  É necessário manter a microbiota intestinal saudável para regular os níveis de cortisol, produzir neurotransmissores chave para dormir e regular o ritmo circadiano. A interrupção do ritmo circadiano pode, por sua vez, contribuir para a disbiose intestinal.

Assim, para garantir um tratamento bem-sucedido das insónias, é essencial contemplar o estado da nossa flora intestinal.

Com o kit de teste básico pode comprovar o estado do intestino em aspetos chave tais como: a existência de disbiose intestinal, candidiase ou o sistema imune do intestino, entre outros tantos parâmetros.

 

 

Mar 26, 2018

Possíveis causas da fibromialgia e suplementos para melhorar

fibromialgia

O termo fibromialgia refere-se à dor muscular e à inflamação do tecido de ligação fibroso das articulações, os tendões e ligamentos. Supostamente, pode ser causada pela exposição à humidade ou ao frio, vírus, bactérias, toxemia, trauma e stresse emocional.

No entanto, devemos considerar outras causas prováveis.

É necessário garantirmos que o problema não está relacionado com um caso crónico de prisão de ventre ou diarreia . Estas condições podem aumentar significativamente o nível de toxinas no corpo e provocar dores musculares e das articulações.

 Entre o intestino delgado e o grosso, próximo do apêndice, existe uma estrutura chamada válvula ileocecal.

Quando permanece aberta, provoca diarreia e, consequentemente, as toxinas do intestino grosso voltam ao intestino delgado, onde serão absorvidas pelo corpo.

Se a válvula permanecer fechada, os alimentos que supostamente deviam sair do corpo apodrecem e causam uma acumulação tóxica. Para além disto, é necessário considerar a permeabilidade intestinal ou um desequilíbrio da flora intestinal.

Para além das toxinas, verifica-se a dor muscular, fadiga e muitos dos sintomas associados à fibromialgia.

Se não houver problemas intestinais, é importante rever também o sistema linfático. Qualquer terapia ou tratamento que permita melhorar a circulação linfática, geralmente ajuda a reduzir os sintomas da fibromialgia.

Para realizar um diagnóstico mais correto sobre o estado da válvula ileocecal, bem como dos principais órgãos do sistema linfático, pode utilizar o kit do teste básico ampliado.

fibromialgia

Suplementos que ajudam a combater a fibromialgia

Em termos de nutrição, o ácido málico suplementar e o magnésio podem ser uma ajuda preciosa.

Num estudo no qual participaram 15 pacientes com fibromialgia, foi-lhes administrado 1,200 a 2,400 mg de ácido málico e 300 a 600 mg de magnésio por via oral durante oito semanas. A maior parte notou uma melhoria substancial nos primeiros dias. Transcorridas as oitos semanas, os pacientes sentiam entre um terço e metade da sensibilidade dor.

Outro suplemento nutricional que pode se útil no caso da fibromialgia é o triptofano. Ao comparar o plasma de 29 pacientes com fibromialgia, constatou-se que tinham os níveis de triptofano significativamente mais baixos.

 

Mar 5, 2018

Relação entre o açúcar e a inflamação

Relação entre o açúcar e a inflamação

A inflamação faz parte do processo natural de cura do corpo. Durante uma lesão ou infeção, o corpo liberta substâncias químicas que ajudam na proteção e luta contra os organismos prejudiciais. Isto pode causar vermelhidão, calor e edema.

No entanto, alguns alimentos, como o açúcar, também podem provocar inflamação, isto é, o nosso corpo reage de forma semelhante à reação a uma lesão ou infeção.

Os estudos realizados a este respeito demonstraram que o consumo abusivo de alimentos ricos em açúcares simples ou refinados pode causar inflamação crónica de grau inferior e com o tempo, dar lugar a problemas de saúde graves, tais como doenças cardíacas, músculo-esqueléticas, autoimunes, diabetes, alergias e cancro.

Em 2014, foi realizado um estudo para comparar os efeitos da frutose e a glucose na inflamação. Os sujeitos do estudo receberam apenas uma dose de 50 g de frutose. Esta única dose de frutose produziu níveis significativamente mais elevados do marcador inflamatório da proteína C reativa (CRP).
O aumento da inflamação foi evidente em apenas 30 minutos após consumir a frutose, e estes níveis aumentaram ainda mais, duas horas depois. (50 gramas de frutose equivalem aproximadamente a duas latas de refrigerante).

A proteína C-reativa (CRP) é uma substância produzida pelo fígado em resposta à inflamação.  Um nível elevado de CRP no sangue é um marcador de inflamação. Pode ser causado por várias patologias, desde infeção até ao cancro.

Quando o nível de açúcar no sangue aumenta rapidamente, o açúcar adere ao colagénio num processo designado por “glicosilação”, que provoca uma resposta inflamatória no corpo.

A proteína C-reativa (CRP) não se encontra nos alimentos. No entanto, os seus níveis são seriamente influenciados pela dieta.

Vários estudos que também contemplam os níveis de CRP, mostram uma relação entre o consumo elevado de açúcar e uma variedade de patologias do tipo músculo-esquelético, onde para além da artrite também se inclui a fibromialgia.

É o caso de um estudo recente realizado na Escola de Medicina de Harvard, no qual se constatou que as mulheres que comiam grandes quantidades de hidratos de carbono com um elevado índice glicémico, tinham níveis muito elevados de CRP.

O corpo produz CRP a partir da interleucina-6 (IL-6), um poderoso químico inflamatório.
A IL-6 é uma molécula chave de comunicação celular, responsável por avisar o sistema imunológico para entrar em ação, libertando CRP e muitas outras substâncias que causam inflamação.

O excesso de peso também aumenta a inflamação devido ao facto das células adiposas, particularmente as que se encontram em volta da zona do abdómen, produzem grandes quantidades de IL-6 e CRP.
À medida que aumentam os níveis de açúcar no sangue, também aumentam os níveis de IL-6 e  CRP.

a inflamação

Como é que o açúcar provoca a inflamação?

  • Por excesso de produção de AGEs:
    Os AGEs são os produtos finais do processo de glicação avançada. A glicação tem origem na palavra glicose e é o resultado da reação do organismo perante os açúcares que consumimos nos alimentos.
    Demasiados AGEs provocam o stress oxidativo e a inflamação.
  • Por aumento da permeabilidade intestinal:
     As bactérias, as toxinas e as partículas de alimentos não digeridos podem sair mais facilmente do intestino e chegar à corrente sanguínea, o que pode provocar a inflamação.
  • Por excesso de colesterol LDL “mau”: 
    O excesso de colesterol LDL foi associado a níveis mais elevados da proteína C reativa (PCR).
  • Aumento de peso:
    Uma dieta rica em açúcares adicionados e hidratos de carbono refinados pode provocar aumento de peso. O excesso de gordura corporal foi associado à inflamação, em parte devido à resistência à insulina.

É importante recordar que é pouco provável que a inflamação seja causada apenas pelo açúcar. Outros fatores como o stress, a medicação, o tabagismo e o excesso de ingestão de gorduras podem provocar inflamação.

Para testar os níveis de PCR (o CRP), os de IL-6 bem como de outras substâncias que intervêm no processo de inflamação do corpo com kinesiologia, pode utilizar o kit de teste de inflamações.

 

Feb 19, 2018

Relação entre a alergia ambiental, intestino e o fígado

Relação entre a alergia ambiental, intestino e o fígado

Na condição de uma alergia ambiental, o intestino e o fígado desempenham um papel fundamental na recuperação.

Quando o nosso intestino não elimina corretamente determinadas substâncias residuais e ao longo dos anos se torna permeável, pode causar derrames das mesmas no corpo. Quando isto acontece, provoca um processo inflamatório que coloca o sistema imunológico em alerta.

Na luta contra a inflamação, o sistema imunológico começar a reagir de forma exagerada a todos os tipos de ameaças percebidas, incluindo alérgenos transportados pelo ar.

Portanto, se pretendemos aliviar uma alergia respiratória, devemos considerar o estado dos nossos intestinos.

As principais causas de inflamação intestinal são principalmente duas: a dieta e as bactérias intestinais.

 

Eliminar os alimentos alergénicos

 Mais concretamente, devemos evitar os alimentos que desencadeiam uma reação alérgica. Existem determinados alimentos que representam grande parte das reações alérgicas aos alimentos. Alguns deles, são o leite, ovos, amendoins, nozes, peixe, mariscos, soja e trigo.

Para além destes, o açúcar é um grande precursor de reações alérgicas. O excesso de açúcar ou carboidratos refinados provoca uma resposta inflamatória semelhante à desencadeada pelo sistema imunológico face a um alérgeno.

Assim, a abordagem holística das alergias respiratórias tem início da eliminação dos alérgenos ou intolerâncias alimentares. Para tal, recomendamos realizar o teste kinesiológico de intolerâncias e alergias alimentares.

 

Repovoamento das bactérias intestinais

Se o intestino grosso e o intestino delgado apresentarem deficiências de bactérias amigáveis, o aparecimento de alergias é mais provável. Para tal, tomar regularmente probióticos é muito útil para combater tanto as alergias ambientais como as alergias alimentares.

Limpeza intestinal

 Para além de remover alérgenos alimentares da dieta, é necessário realizar limpezas intestinais que contribuam para a eliminação da inflamação intestinal e permitam a normalização da resposta do sistema imunológico.

Para tal, pode realizar hidroterapias do cólon, seguidas de um tratamento com probióticos (acidophilus, bifidus), para repor as bactérias amigáveis no intestino.  Alternativamente, realizar clisteres ou enemas prontamente para manter o intestino em forma.

Aumentar os níveis de vitamina D

Existem provas de que a  vitamina D desempenha um papel tanto nas alergias como na asma. Estudos realizados demonstraram que quanto mais baixa for a taxa de vitamina D no nosso organismo, mais elevados são os sintomas da alergia, maiores níveis de imunoglobulina (IgE) e eosinófilos (dois indicadores da gravidade de uma alergia).

Limpeza do fígado

Limpeza do fígado

Os alimentos alérgenos congestionam os intestinos e também exercem uma grande pressão sobre o fígado.

O fígado tem de lidar com toxinas de poluição do ar, substâncias tóxicas alimentares e outros poluentes a que estamos expostos diariamente.

A limpeza e tonificação deste órgão tem uma influência positiva em todo o corpo. Especialmente na redução dos efeitos da alergia.

Como remédios ou terapias para limpar e fortalecer o fígado temos:

A planta protetora e regeneradora por excelência do fígado é o cardo mariano. Tomar cápsulas ou extrato de cardo mariano é uma excelente solução. Além disso, o dente de leão também é uma excelente escolha.

– A raiz de bardana e curcuma que podem ser cozinhados em guisados ou tomadas em forma de cápsula.

– Um copo de água com limão espremido na hora também ajuda a purificar o fígado e o organismo de uma forma geral.
– A acupuntura e reflexologia podal são estratégias eficazes para limpar e tonificar o fígado.

Além dos intestinos e fígado, outro órgão essencial na desintoxicação é a pele. Ao induzir a transpiração, é possível eliminar muitas toxinas, o que por sua vez, alivia a pressão sobre outros órgãos de eliminação. Assim, passar alguns minutos na sauna ou fazer exercício habitualmente melhora a sua capcidade de resistência a alergias.

Feb 5, 2018

O teste da válvula ileocecal e a falsa apendicite

O teste da válvula ileocecal e a falsa apendicite

A apendicite aguda pode tornar-se grave, especialmente se o órgão atingir o ponto de rutura, o que pode ser fatal.

No entanto, a dor na região do apêndice está muitas associada à acumulação de gases, mais provavelmente, um problema da válvula ileocecal. A válvula ileocecal situa-se entre o intestino delgado e o grosso, basicamente na mesma área que o apêndice. Muitas vezes confunde-se um eventual problema do apêndice com um problema relacionado com esta válvula. A válvula ileocecal é responsável por duas tarefas importantes:

– Funciona como uma barreira que impede que os conteúdos tóxicos do intestino grosso retrocedam em direção ao intestino delgado,

– Evita que os alimentos no intestino delgado entrem no intestino grosso antes que sejam concluídos os processos digestivos. 

As emoções stressantes e/ou uma dieta com excesso de gordura saturada ou comida picante, por vezes pode “obstruir” a válvula na posição aberta ou fechada. Isto pode causar uma série de sintomas, alguns dos quais podem confundir-se com os da apendicite.

Felizmente, existem técnicas simples e eficazes para resolver os problemas da válvula ileocecal. Uma delas, é a realização do teste kinesiológico.

O teste da válvula ileocecal

O teste da válvula ileocecal é realizado pressionando suavemente o ponto reflexo da válvula ileocecal, ou colocando o filtro da válvula ileocecal sobre o umbigo. Caso o resultado seja AR, seguidamente verificamos se a válvula está aberta (pressionando suavemente com dois dedos em direção ao ombro oposto) ou se está fechada (pressionando em direção à anca direita). A que der o resultado AR será a que é necessário corrigir com o tratamento adequado, consoante o caso, se o desequilíbrio é energético, emocional, químico ou estrutural.

A maior parte de nós aprendeu que o apêndice é uma estrutura praticamente inútil. No entanto, continuamos a aprender e descobrir a complexidade e relação das partes do corpo, mesmo após centenas de anos de estudo.

O órgão do apêndice é uma parte importante do sistema linfático, que por sua vez faz parte do sistema imunitário geral. Está estrategicamente localizado no ponto onde se unem os intestinos delgado e grosso, próximo da válvula ileocecal. Funciona como uma “armadilha” onde as nossas células do sistema imunológico podem capturar e destruir ou eliminar micro-organismos nocivos. Ao removermos o apêndice, perdemos uma parte do nosso sistema imunológico.

O estudo também sugere que o apêndice pode funcionar como uma espécie de “casa segura” onde são cultivadas e armazenadas as bactérias benéficas no intestino.

Caso o intestino seja infetado com bactérias patogénicas, as bactérias desta “casa segura” serão usadas para restaurar os níveis saudáveis no cólon.

Para verificar o status de seu apêndice, bem como a válvula ileocecal, pode usar os filtros do kit de teste básico alargado.

 

Jan 22, 2018

Luta contra o cansaço com Rodiola

Luta contra o cansaço com Rodiola

O cansaço afeta até um terço da população adulta, afeta a qualidade de vida, a produtividade profissional e o relaxamento.

A Rodiola tem sido reconhecida durante muito tempo nos sistemas médicos tradicionais da Europa do Leste e Ásia como um importante adaptogénico devido ao estímulo que proporciona ao sistema nervoso, antidepressivos, eliminadores de cansaço e propriedades que melhoram o rendimento.

Os cuidados médicos modernos têm muito pouco para oferecer às pessoas que sofrem de cansaço, o que leva à cronicidade dos sintomas.

 Estudos levados a cabo demonstraram que os adaptogénicos melhoram o rendimento mental e aumentam a resistência em pessoas que sofrem de cansaço. Os adaptogénicos são compostos naturais que ajudam o nosso corpo a adaptar-se ao stresse e evitar consequências a longo prazo como o cansaço.

O principal sistema de resposta ao stresse do corpo (designado eixo hipotálamo-pituitário-adrenal o HPA) está envolvido no síndrome de cansaço crónico, o que ajuda a explicar porque razão o stresse parece piorar o problema de saúde.

A Rodiola combate o cansaço prolongado e crónico

Um artigo publicado na revista Complementary Medicine Research dá conhecimento de um estudo realizado a pessoas com cansaço agudo (cansaço que dura entre um e seis meses) e a pessoas com síndrome de cansaço crónico (cansaço que dura mais de seis meses).

Os investigadores estudaram as propriedades adaptogénicas do extrato de Rhodiola rosea. O estudo demonstrou que os extratos de Rodiola atuam direta e indiretamente nos sistemas de stresse e resposta do corpo a um nível bioquímico, melhorando a nossa capacidade de superar o stresse e melhorar os níveis de energia.

Rodiola

Todas as pessoas do estudo tomaram 400 mg (200 mg duas vezes por dia) de extrato de Rhodiola rosea todos os dias durante oito semanas e foram atribuídas a cada uma delas pontuações relacionadas com o cansaço e desgaste funcional.

No final do estudo, verificou-se uma diminuição significativa em todas as pontuações de cansaço e desgaste funcional.

Para além disso, os resultados mostraram que as pessoas não tiveram de esperar muito para notar os efeitos positivos, uma vez que a diminuição mais rápida verificou-se na primeira semana do estudo, e estas medidas continuaram a diminuir significativamente entre a quarta semana e o final do estudo.

Também foram observadas melhorias rápidas nos níveis de stresse, qualidade do sono, ansiedade, pânico, fobia, depressão e na capacidade cognitiva na organização de prioridades e execução de ações. Por outro lado, 83% das pessoas avaliou o seu estado como ¨muito melhor¨ no final do tratamento.

Tratou-se de um importante ensaio clínico com resultados uniformemente positivos, considerado pioneiro por incluir um número elevado de pessoas com cansaço agudo e crónico.

Outros estudos realizados com grupo placebo mostraram também resultados encorajadores com os extratos de Rodiola no contexto do cansaço e sua principal causa, o stresse.

Por outro lado, não podemos esquecer que o stresse é o resultado da má gestão de pensamentos e emoções negativas. Através do teste kinesiológico da parte emocional, é possível analisar perante o paciente quais as emoções ou situações negativas, que o impedem de dar uma resposta alternativa ao stresse, contribuindo substancialmente para a melhoria do cansaço.

 

Jan 8, 2018

Estratégias para o tratamento da artrite

artrite

O termo “artrite” refere-se à inflamação de uma ou várias articulações. Apesar de existirem dezenas de tipos de artrite: osteoartrite, artrite reumática, gota, lúpus sistémico, bursite, para nomear alguns.

A osteoartrite é o tipo mais comum de artrite. A osteoartrite é habitualmente considerada como um resultado natural do envelhecimento. No entanto, existem outros fatores para além do envelhecimento que estão na sua origem. Assim, cada tipo de artrite tem vários fatores que aumentam ou diminuem as possibilidades do seu aparecimento.

 Aqui, no entanto, existem algumas estratégias que o podem ajudar.

Utilize as articulações para não as perder: Os exercícios de movimentos amplos são muito importantes para aumentar a circulação e reduzir a rigidez. Note que deve evitar exercitar as articulações inflamadas ou “quentes”, estas articulações podem ser movimentadas lentamente em toda a amplitude do seu movimento. A natação é um exercício particularmente indicado para as pessoas com artrite. Apesar da marcha não estar associada à doença degenerativa das articulações, pode caminhar como forma alternativa de exercício se sentir alguma dor nas articulações durante ou depois da marcha.

Procure fazer exercício durante 15 a 20 minutos por dia, cinco dias por semana.

Alimentos prejudiciais: Estudos provam que determinados alimentos podem agravar uma condição artrítica. Evite os alimentos da família das solanáceas, incluindo os tomates, as beringelas, os pimentos (exceto a pimenta negra) e as batatas.  O tabaco também é um membro da família das solanáceas que pode agravar a artrite. O leite, os cítricos e as gorduras são alimentos que favorecem a artrite e devem ser evitados ou pelo menos reduzidos significativamente da sua dieta.

artrite, massagem

O segredo está numa boa massagem: Não é preciso ser cientista para saber que a massagem é muito boa para as pessoas com artrite. No entanto, para obter melhores resultados, é necessário evitar massajar diretamente a parte superior da articulação inflamada, o indicado é fazê-lo imediatamente acima e abaixo da articulação.

O cobre: As pessoas que sofrem de artrite parecem experimentar um certo alívio quando usam uma pulseira de cobre ou qualquer tipo de suplemento. Sabemos que algumas pessoas com artrite tem dificuldade para assimilar o cobre dos alimentos que consomem. Os profissionais da homeopatia receitam frequentemente micro doses de cobre (Cuprum metalicum) às pessoas com artrite que sofrem de dores de cãibras nas articulações e convulsões ou espasmos dos músculos.

O teste kinesiológico pode ser realizado com um kit de inflamações e especialmente com a ampola de TNF-α ou CRP. No entanto, recomendamos verificar o estado da articulaçãointestino delgado e grosso. Conhecer o estado da flora intestinal, existência de bactérias, vírus e metais pesados bem como eventuais alergias ou intolerâncias alimentares.

Com o kit de oligoelementos também será possível detetar carências de cobre.

 

Dec 26, 2017

Descubra todas as doenças que o cardo mariano pode prevenir.

o cardo mariano

Os benefícios do cardo mariano funcionam através da extração de toxinas do organismo que podem causar vários sintomas e doenças, tais como o desenvolvimento de cancro, o colesterol elevado, diabetes, cálculos renais, transtornos da vesícula biliar, efeitos negativos da quimioterapia, do álcool, danos na pele e muitos outros.

O cardo mariano pode promover uma função digestiva saudável ajudando na formação de enzimas, aumentando a produção de bílis, diminuindo a inflamação e suavizando as membranas mucosas do corpo.

Como antioxidante, o cardo mariano tem a mesma importância que outros nutrientes importantes como a vitamina E ou a vitamina C , que ajudam a combater os danos dos radicais libres e abrandar o processo de envelhecimento que pode levar ao desenvolvimento da doença. Contém especificamente elevados níveis de extratos lipofílicos das sementes da planta, que atuam como antioxidantes bioflavonoides que aumentam a imunidade e abrandam o stresse oxidativo.

 Se por um lado tem variadíssimos benefícios diferentes, o cardo mariano é mais conhecido por ser um defensor natural do fígado e um desintoxicante. O fígado trabalha constantemente arduamente para os ajudar a defender das toxinas que são comuns na nossa vida quotidiana, atuando como um filtro e eliminando substâncias nocivas do organismo.

Está provado que o cardo mariano diminui, ou inclusivamente reverte, os danos provocados no fígado por medicamentos receitados, antibióticos, contaminação, metais pesados, etc.

O cardo mariano na desintoxicação e saúde do fígado

O cardo mariano na desintoxicação e saúde do fígado

Como já referimos, o cardo mariano é um desintoxicante poderoso. Ajuda a reconstruir as células do fígado e simultaneamente elimina as toxinas do corpo que são processadas através do mesmo.
O cardo mariano é eficaz na reversão natural dos efeitos nocivos do consumo de álcool, os pesticidas dos alimentos que ingerimos, os metais pesados e mesmo até a contaminação do ar que inalamos.

Na realidade, o fígado é o nosso maior órgão interno e é responsável pela realização de uma série de funções desintoxicantes essenciais. A condição do nosso sangue em todo o nosso organismo depende principalmente da saúde do nosso fígado. Tal como um “purificador de sangue”, o fígado necessita de limpar ativamente o sangue todos os dias para poder abastecer quase todo os sistemas do nosso corpo.

O fígado ajuda a eliminar substâncias nocivas do nosso sangue, ajuda na produção de hormonas, desintoxica o corpo, liberta glicose na corrente sanguínea para fornecer ao nosso organismo energia de forma estável e liberta bílis no intestino delgado para que a gordura possa ser absorvida pelos alimentos.

Assim, é extremamente importante manter o fígado em boas condições. Para saber em estado se encontra o seu fígado, podemos realizar o nosso teste kinesiológico utilizando o kit básico expandido. E, a seguir, para determinar o tratamento com cardo mariano ou qualquer outra planta benéfica, podemos utilizar o teste geral de fitoterapia.

Dec 5, 2017

5 nutrientes para a gripe e constipações

gripe e constipações

A maneira mais eficaz de se proteger contra a constipação comum e a gripe é fortalecendo o nosso sistema imunológico. Está provado que são diversos os nutrientes que ajudam significativamente o sistema imunológico a melhorar e curar a constipação ou a gripe. Seguem-se algumas recomendações.

Vitamina D
Estudos demonstraram que a otimização dos níveis de vitamina D é uma das melhores estratégias para nos mantermos saudáveis e evitar a constipação comum, a gripe e outros vírus sazonais. Através de uma cadeia de reações químicas, a vitamina D aumenta a produção de uma substância chamada catelicidina nas células do sistema imunológico tais como células assassinas naturais (NK), neutrófilos e monócitos, que atacam os patógenos invasores.

 Vitamina C
A vitamina C é particularmente abundante nos glóbulos brancos. Os glóbulos brancos atraem os invasores estranhos, destruindo-os a seguir com enzimas e radicais libres. A vitamina C protege os glóbulos durante este processo. Também aumenta a produção e a função de outros componentes do sistema imune, incluindo as células assassinas naturais e o interferão (um mensageiro bioquímico que promove a atividade antiviral).

A vitamina C não é produzida pelo organismo e, desta feita, deve ser obtida por outros meios. Uma forma de a obter, é comer mais do que as cinco porções diárias recomendadas de fruta e vegetais. Mas uma vez que é pouco provável que a maior parte das pessoas integrem vitamina C suficiente na sua dieta, é recomendável recorrer a um complemento, principalmente durante a constipação ou gripe.

Levedura de cerveja
Trata-se de uma das levaduras mais estudadas e foi utilizada durante séculos para fazer pão, cerveja e vinho. A levedura de cerveja aumenta quatro vezes a atividade das células assassinas naturais (NK). Esta eficiência permite que o sistema imunitário funcione em níveis superiores com menos células NK, poupando ao corpo o stresse e desgaste de ter de produzir maior quantidade.

Glutationa, brócolos

Glutationa
A glutationa é um composto presente em todas as células do nosso organismo e é essencial para a própria vida. Se todos nós tivéssemos um “medidor de glutationa” no nosso corpo, semelhante ao medidor de combustível de um automóvel, seria lógico manter o mesmo o mais cheio possível para lograr um funcionamento imunológico ideal e um envelhecimento saudável.

Todos os grupos de alimentos contêm glutationa, mas as fontes mais ricas são os vegetais crucíferos, como a couve de Bruxelas, a couve-flor, os brócolos, o repolho, a couve, o agrião, etc.

 Própolis
A própolis é a resina castanha, cerosa e pegajosa que as abelhas recolhem dos rebentos das árvores exsudadas com propriedades antisséticas, antibacterianas, antifúngicas, antivirais, anti-inflamatórias e antipiréticas (antifebril) surpreendentes, ou seja, outro aliado contra as viroses.

Pages:«1234567»