Browsing articles in "Kinesiologia"
Jan 10, 2020

O que é a moxabustão e para que serve?

O que é a moxabustão e para que serve?

De entre as terapias tradicionais orientais, é necessário enfatizar a moxabustão, também designado como calor curativo. É um procedimento da medicina tradicional chinesa que, através do equilíbrio das energias, consegue aliviar os sintomas de várias doenças. Vamos ver como funciona.

 O que é a moxabustão?

A moxabustão é uma terapia cuja origem precede o período Neolítico. No entanto, este método como o conhecemos, foi atualmente desenvolvido no Ocidente durante os séculos XVII e XVIII.

A palavra que dá nome a esta terapia significa “cauterizar”. Ou seja, utilizar material que foi previamente aquecido para queimar uma superfície. Este método terapêutico consiste na aplicação de calor que ativa os recetores térmicos da pele. Desta forma, estes estímulos competem com os sistemas de modulação da dor, combatendo-a.

 Os pontos onde o calor é aplicado geralmente coincidem com as áreas utilizadas para a acupunctura. Assim, é possível curar certas doenças através do equilíbrio das funções fisiológicas de cada pessoa.

 A moxabustão aplica a teoria dos canais. Um conceito segundo o qual o corpo funciona como um sistema de redes onde a energia flui juntamente com o fluxo sanguíneo, interligando cada parte do corpo.

Fatores externos e internos, como emoções ou energias desequilibradas, são a causa de deficiências ou falhas neste sistema. Como resultado, verifica-se um desequilíbrio energético que causa muitas doenças e moléstias.

Utilizações da moxabustão

Utilizações da moxabustão

O âmbito clínico da moxabustão é bastante amplo e inclui tanto problemas ginecológicos como dermatológicos, doenças crónicas, problemas pediátricos, etc. Acima de tudo, esta terapia tem um efeito especial no tratamento e gestão da dor. O calor suave penetra no corpo do paciente criando uma sensação agradável que ajuda a minimizar qualquer tipo de desconforto.

 A moxabustão é utilizada principalmente para:

  • Problemas digestivos.
  • Contra constipações, gripes e tosse.
  • Dores menstruais.
  • Diarreia ou prisão de ventre.
  • Lesões desportivas.
  • Cansaço e fadiga crónica.
  • Falta de concentração e memória.
  • Dores articulares, rigidez nas costas, artrite e osteoartrose.
  • Disfunção sexual.
  • Stresse e problemas de ansiedade.
  • Fortalece o sistema imunológico, permite o aumento da produção de glóbulos brancos e hemoglobina.
  • Sintomas da menopausa.
  • Má circulação e outros problemas sanguíneos.
  • Alterações do metabolismo, etc.

 A moxabustão é frequentemente aplicada em combinação com a acupunctura, uma vez que ambas as terapias são complementares e compatíveis. Isto significa que o poder de cura de ambos é combinado para obter melhores resultados.

Dec 29, 2019

O que é a cosmética holística consciente?

As mentes dos consumidores têm evoluído ao longo do tempo para um consumo mais responsável. Na verdade, cada vez mais pessoas apostam em marcas que têm em conta o respeito pelos animais e o cuidado com o meio ambiente. Neste sentido, o setor cosmético tem vindo a tornar-se cada vez mais natural e menos químico. Vejamos o que atualmente é conhecido como cosmética holística consciente.

Em que consiste a cosmética holística consciente?

Este tipo de cosméticos parte do princípio assume que o nosso humor, bem como as nossas emoções, estão diretamente relacionados com a aparência. Por esta razão, o seu objetivo é procurar o equilíbrio entre o interior e o exterior do nosso corpo através dos benefícios da natureza. Assim, é possível obter uma pele mais bonita, um cabelo mais sedoso ou unhas mais fortes.

Até há alguns anos atrás, os cosméticos holísticos eram usados apenas por aqueles que tinham alergias a certos ingredientes sintéticos. Atualmente, cada vez mais consumidores preferem este tipo de cosméticos em detrimento dos tradicionais. As razões são nada mais nada menos do que:

  • A utilização de produtos 100% naturais na sua composição.
  • É um cosmético adequado para todos os tipos de pessoas e todos os tipos de pele.
  • Não existem efeitos secundários.
  • Não utiliza animais nos testes dos seus produtos.
  • Não produz resíduos tóxicos, logo, amigo do ambiente.
  • As suas embalagens são feitas de matérias-primas recicláveis.
  • A sua eficácia é igual ou superior à dos cosméticos químicos.

A revolução consciente como futuro da cosmética

Um dos destaques da geração milenar é precisamente a sua preocupação em mudar as coisas. Desta forma, o perfil do consumidor deu uma volta de 180º para uma revolução consciente na qual o impacto causado pelos diferentes tipos de indústrias, incluindo a indústria cosmética, também é tido em conta.

A ideia é mudar o modelo económico tradicional para um modelo circular. Ou seja, os recursos podem ser reutilizados para causar menos danos ao planeta. Uma ideia que não é nova, mas com a qual já os nossos antepassados mais distantes estavam preocupados através da sua medicina mais antiga. Sem dúvida, um regresso ao passado que nos trará mais benefícios para o futuro.

 

Porque precisamos de curar os chakras?

Os centros de energia do nosso corpo são regidos pelos diferentes chakras. O desequilíbrio destes pontos pode afetar a nossa saúde. Por este motivo, a terapia de cura dos chakras é considerada essencial para devolver ao corpo o seu equilíbrio original. Em que consiste este processo?

O que é a cura dos chakras?

Quando uma pessoa não tem os seus pontos de energia no estado adequado, os seus chacras são afetados. Isto deve-se ao facto de os chakras não funcionarem sozinhos, precisam de interagir com os seus centros de energia para estabelecer uma ligação completa. Por este motivo, a cura dos chacras não envolve apenas conhecer o seu próprio funcionamento, mas também a forma como interagem uns com os outros. Na verdade, o Reiki é a prática mais comum relacionada com a cura de chakras.

Como é que um chakra adoece?

A vida está repleta de experiências que podem deixar os nossos centros de energia doentes. De facto, as emoções e os pensamentos negativos têm um impacto muito particular na saúde. As nossas defesas são diminuídas, produzindo o que é conhecido como uma contração da energia que flui através dos chakras.

Estes desequilíbrios energéticos são responsáveis pelo efeito de chacra fechado ou bloqueado. Ou seja, aquele que deixa praticamente de produzir energia. O resultado é nada mais nada menos que um sistema de chakras enfraquecido.

Os benefícios da cura dos chakras

Diz-se que existem dois fluxos de energia que favorecem o equilíbrio dos chakras. Um ascendente e outro descendente. Duas correntes que equilibram todo o sistema energético de uma pessoa. Restaurar este poder significa ser capaz de recuperar o controlo e o bem-estar do organismo. Desta forma:

  • Diminuem as dores.
  • Aumenta o estado de felicidade, melhorando a tristeza ou o estado de depressão.
  • A memória torna-se mais clara e a capacidade de atenção aumenta.
  • Melhora a produtividade.
  • Renova a saúde de uma forma geral, bem como o equilíbrio de todo o organismo.

Como pode ver, os chakras desempenham um papel importante na cura. São como pequenas rodas em movimento que, de vez em quando, precisam de ser lubrificadas para funcionarem corretamente. Qualquer doença física, emocional ou espiritual tem os chakras como peça chave para a sua recuperação. Quando alguém tem a sua energia bloqueada, deve proceder à cura dos seus chacras.

Nov 24, 2019

O papel do Reiki na cura de doenças

O papel do Reiki na cura de doenças

O Reiki é uma das terapias holísticas mais conhecidas e praticadas. Atualmente, esta disciplina é bem conhecida no mundo ocidental devido aos seus e excelente resultados. Por esta razão, queremos aprofundar um pouco os benefícios do Reiki como um método de cura da doença.

O Reiki e as energias

Durante a vida de uma pessoa, pode vir a produzir-se aquilo que é designado como bloqueios de energia interna. Ou seja, a nossa energia vital encontra-se a níveis tão baixos que faz com que uma parte do nosso corpo adoeça. Uma das maneiras de restaurar esta energia é através do Reiki.

O Reiki é uma terapia japonesa através da qual é produzida uma transferência de energia que ajuda a melhorar o estado físico e mental do paciente. A imposição das mãos por parte do terapeuta representa o canal que permite redirecionar as energias através dos chakras e reequilibrar o organismo.


Utilizações do Reiki no tratamento de doenças

O Reiki é geralmente realizado como um tratamento complementar e não como um único tratamento para qualquer tipo de doença. Os seus benefícios podem manifestar-se em diferentes planos:

  • No curto prazo, o Reiki é capaz de aliviar os primeiros sintomas de uma doença. O relaxamento e a tranquilidade produzidos pela imposição das mãos reduzem os níveis de stresse nos pacientes. O primeiro passo da cura de uma doença.
  • A médio prazo, o Reiki pode curar os sintomas mais dolorosos causados pela doença em questão. Dores de cabeça, tensão arterial elevada, agressividade, tonturas, insónia, etc.
  • A longo prazo, o Reiki trabalha a principal causa da doença, curando o paciente, especialmente a partir do plano mais espiritual. Por exemplo, em pacientes que sofrem de depressão ou síndrome de stress pós-traumático, esta terapia ajuda a libertar os medos acumulados e a canalizar a sua energia para a cura.

O reiki, chakras

O Reiki é utilizado principalmente para o tratamento de todos os tipos de doenças. A crença de que a cura do espírito pode curar o corpo tornou o Reiki numa terapia verdadeiramente popular. De entre as suas principais aplicações, destacamos:

Enxaquecas.
Depressões.
Ansiedade.
Alívio da dor em doenças crónicas como o reumatismo.
Dor menstrual.
Gravidez e pós-parto.
Insónias.
Prisão de ventre.
Problemas de estômago.
Fadiga crónica.
Distúrbios alimentares como a bulimia ou anorexia, etc.

Através da cinesiologia, podemos testar os diferentes chakras e assim focar a nossa energia através do Reiki naqueles que estão bloqueados ou com menos fluxo de energia. Para obter ajuda, pode utilizar o kit de chakras

 

 

 

 

Nov 10, 2019

Relação entre trombose e contracetivos

Relação entre trombose e contracetivos

A utilização regular de contracetivos hormonais está relacionada diretamente com a ocorrência de trombose venosa ou embolia pulmonar nas mulheres. Embora a percentagem de pessoas afetadas ser muito baixa, importa lembrar este facto, porque o risco pode ser inclusivamente fatal. Em especial, no caso de pessoas com historial de tromboembolismo venoso (TEV) na sua família.

 Tipos de contracetivos hormonais

 O risco de trombose venosa ou embolia pulmonar (EP) depende também do tipo de contracetivo tomado. No nosso país, uma mulher em cada 100.000 pode perder a sua vida devido a EP. O drama desta situação é o facto de muitas vezes serem as mulheres jovens e saudáveis que têm uma determinada predisposição congénita para vir a sofrer um TEV ou EP sem o saberem.

 Os contracetivos orais são todos a mesma coisa? A resposta a esta pergunta é absolutamente negativa. Os contracetivos não são todos iguais. Na verdade, as pílulas combinadas compostas por progestógenos são muito mais perigosas do que os contracetivos hormonais que contenham, por exemplo, o levonorgestrel.

 Relativamente ao formato de contraceção não há grande diferença entre eles. Tanto os comprimidos, como os adesivos ou os anéis vaginais têm um risco semelhante quanto à possibilidade do aparecimento de uma trombose venosa ou de uma embolia pulmonar na mulher.

 Portanto, antes de tomar qualquer contracetivo hormonal, é importante realizar exames médicos que descartem a pessoa como perfil de risco. E, obviamente, nunca tomar este tipo de medicação sem consultar o ginecologista.

Relação entre trombose e contracetivos

 

Qual é o perfil das mulheres com risco de TEV ou PE?

 Identificar as mulheres que podem desenvolver este tipo de doença devido ao consumo de contracetivos é essencial para evitar riscos desnecessários. Os distúrbios congénitos mais comuns relacionados com estes distúrbios circulatórios são:

  • Alterações genéticas, tais como, a mutação do gene da protrombina 20210 ou a presença do Fator V.
  • Défices de proteína C ou S e antitrombina.
  • A síndrome antifosfolipídica, também conhecida com a Síndrome de Hughes que consiste num quadro de hipercoagulabilidade causada por anticorpos.

 Resumidamente, se uma mulher com estas características quiser tomar contracetivos orais, é essencial que considere antes outras opções que não prejudiquem a sua saúde ou muito menos a sua própria vida.

 Finalmente, para reduzir os casos de TEV ou EP como consequência do consumo de contracetivos hormonais, os médicos devem informar as suas pacientes sobre como identificar os respetivos sintomas (inchaço ou vermelhidão das extremidades inferiores ou superiores, dor no peito, tosse com perda de sangue, etc.). Apesar de a trombose venosa ser a terceira causa de morte cardiovascular por enfarto agudo de miocárdio ou o AVC, é importante informar os pacientes sobre a sua prevenção e tratamento.

 Para avaliar eventuais problemas a nível circulatório, podemos usar o teste de doenças do sistema circulatório.

Doenças hepáticas e obesidade


O consumo de álcool e a má nutrição são os principais inimigos da saúde do fígado. A obesidade é uma das doenças que chegou a atingir o estatuto de epidemia nos países mais desenvolvidos. De facto, um estudo previu que até 2030, a população espanhola terá 27 milhões de pessoas obesas ou com excesso de peso. Por esta razão, é necessário aprofundar um pouco mais o problema do fígado gordo (esteatose hepática) e a sua relação com a obesidade.

Em que consiste a doença do fígado gordo não alcoólico?

A esteatose hepática não alcoólica, vulgarmente conhecida como fígado gordo, tem origem no excesso de gordura acumulada no abdómen. As zonas do fígado acumular gordura em pessoas que consomem uma pequena quantidade de álcool ou mesmo nenhum. O motivo é a má nutrição. Um hábito pouco saudável que pode tornar-se tão perigoso como o consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

Na nossa sociedade, a doença do fígado gordo não alcoólico é bastante comum. 20% das pessoas afetadas são adultos e 5% são crianças. Dados bastante alarmantes se considerarmos as possíveis consequências desta condição para a saúde.

O que é que está na origem da doença do fígado gordo não alcoólico? Principalmente, estamos perante uma síndrome metabólica caracterizada pela diabetes (resistência à insulina), colesterol, obesidade e hipertensão. Os médicos especialistas identificaram como principais causas do aparecimento de fígado gordo:

  • O estresse oxidativo. Isto é, o desequilíbrio entre as substâncias químicas que chegam a danificar as células do fígado.
  • A produção por parte das células do fígado do paciente de proteínas inflamatórias tóxicas.
  • A apoptose ou morte das células hepáticas.

Riscos da esteatose hepática não alcoólica

Quando uma pessoa tem uma má nutrição prolongada, a gordura acumula-se de tal forma que ocorre uma inflamação no fígado. Se esta complicação de saúde não for detetada precocemente, pode ocorrer uma condição designada cirrose hepática ou morte de grande parte do tecido hepático.

O fígado gordo não alcoólico é uma condição que pode ser reversível, uma vez que este órgão tem a capacidade de se regenerar. Se o paciente não tomar as medidas recomendadas pelo seu médico, corre o risco de:

  • Desenvolver hipertensão
  • Sofrer um acidente cardiovascular.
  • Aumento da probabilidade de padecer de cancro.
  • Desenvolver diabetes do tipo 2.

O primeiro passo para tratar a condição do fígado gordo é uma mudança radical da dieta do paciente, com o objetivo de perder peso. O paciente opta por uma dieta equilibrada, baseada em fibras, proteínas, frutas, bem como verduras, carne e peixe pouco gordo. O exercício será um complemento obrigatório desta nova rotina.

Para verificar o estado do nosso fígado, podemos utilizar o kit de doenças de fígado e vesícula biliar, mais concretamente, podemos testar a ampola do fígado gordo ou a de cirrose hepática e biliar, entre outras.

A luteína e a zeaxantina aumentam a capacidade cerebral

O rendimento cognitivo, bem como a função cerebral, de uma forma geral, podem ser reforçadas com a ajuda da luteína e da zeaxantina. Este aspeto já foi comprovado por estudos recentes realizados sobre as propriedades de ambos os carotenóides. Estas substâncias estão presentes naturalmente em alguns alimentos. Vejamos as suas funções e benefícios para a saúde.

Propriedades de luteína e da zeaxantina

A luteína é um pigmento amarelado presente em alimentos como algas, algumas frutas e legumes. O consumo regular de uma dieta rica em luteína ajuda a proteger a visão contra as agressões ambientais e da luz solar.

Da mesma forma, a zeaxantina também é uma substância amarelada. Trata-se de um carotenoide presente nas algas e certas plantas ou vegetais (espinafre, beterraba, milho, abóbora, gema de ovo, etc.). A sua utilização também ajuda a proteger contra doenças oftalmológicas, tais como, as cataratas.

Qual a relação destas substâncias com a capacidade cerebral? Muitas pessoas não conhecem a estreita ligação existente entre o cérebro e os olhos. Quando um médico observa a retina e o nervo ótico, também está a examinar as células do cérebro. Assim, os níveis de luteína e zeaxantina na retina estão associados com os seus próprios níveis no tecido cerebral.

Melhoria da função cerebral graças à luteína e à zeaxantina

A função neurológica de uma pessoa é definida como a capacidade do seu cérebro em processar os sinais e estímulos que chegam do exterior, bem como o processamento de informações. Um estudo realizado em 2017 concluiu que as pessoas com níveis mais elevados de luteína e zeaxantina tinham uma maior eficácia neuronal em termos de memória e aprendizagem.

Mais tarde, em 2019, uma outra investigação demonstrou especificamente em que áreas se verificavam estas melhorias da capacidade cerebral:

  • Perceção espaço-visual.
  • Processamento de informações.
  • Tomada de decisões.
  • Coordenação motora.

Em última análise, resultou também numa melhoria da condição auditiva das pessoas que foram submetidas ao estudo. As que possuíam níveis mais elevados de luteína e zeaxantina, conseguiam detetar sinais sonoros com maior precisão e eficiência.

Quais são as quantidades necessárias recomendadas de luteína e zeaxantina?

Para melhorar a capacidade cerebral, é aconselhado tomar um suplemento diário de 10 mg de luteína e 2 mg de zeaxantina. Os grupos objetos de estudo a quem foi administrado o suplemento de luteína e zeaxantina, evidenciaram uma melhoria do fluxo sanguíneo cerebral em comparação com os indivíduos a quem não foram administrados suplementos.

Em suma, ambos os carotenóides apresentam melhor desempenho cognitivo, bem como uma maior eficácia neuronal.

 

Sep 23, 2019

Os benefícios da hidroterapia para problemas de Parkinson

As perturbações motoras, tais como a doença de Parkinson, podem ser tratadas com recurso à hidroterapia. Um método que se baseia em exercícios na água e que deu provas de ser uma terapia de reabilitação inovadora. Tudo isto, sem movimentos bruscos e sem alterações que possam danificar a qualidade motora do paciente.

Por que motivo a hidroterapia melhora a doença de Parkinson

Tudo depende da gravidade dos sintomas de cada pessoa. No entanto, um estudo mostrou que a hidroterapia alivia em maior ou menor grau o estado dos pacientes com Parkinson.

A verdade é que este é um método de cura antigo que tem sido desenvolvido ao longo dos anos. Graças aos estudos realizados, foi possível evoluir em termos da utilização da água para o tratamento de doenças ósseas, musculares e neurológicas.
Os exercícios de hidroterapia permitem às pessoas ter um maior controlo sobre o seu corpo, sendo, desta forma, mais fortes perante a doença. Não foi demonstrado que a hidroterapia elimina 100% dos sintomas da doença de Parkinson, mas certamente, consegue melhorar a qualidade de vida dos pacientes. As suas principais vantagens são:

  • A água quente reduz a dor e melhora a tonificação muscular. O corpo relaxa e a rigidez eventualmente desaparece.
  • A hidroterapia aumenta a força e resistência muscular. Os pacientes retomam o controlo do seu próprio corpo, o que lhes permite serem mais independentes. A flutuação e a sensação de leveza da água são determinantes para esses resultados.
  • Os movimentos na água são muito mais lentos. Desta forma, permite uma retroalimentação sensorial mais pausada, com o objetivo de melhorar o controlo motor durante as caminhadas.
  • Na água, as barreiras motoras desaparecem e os movimentos tornam-se muito mais ágeis melhorando desta feita a flexibilidade e postura dos pacientes.
  • O exercício na água melhora o ânimo dos pacientes, diminuindo o risco de padecer de depressão.
  • Graças aos progressos de cada pessoa, a motivação aumenta para uma maior independência funcional.

Todos estes benefícios são distribuídos como parte de um programa de exercícios projetados especialmente para as pessoas com Parkinson. Cada treino será previamente ajustado às circunstâncias pessoais de cada paciente, sem forçar os seus próprios limites. Todas as preparações funcionais devem incluir exercícios, tais como:

  • Expressão facial.
  • Equilíbrio.
  • Alongamento.
  • Coordenação.
  • Exercício aeróbico.
  • Postura.

E, mais importante, muita diversão. Todos estes exercícios devem ser sempre realizados por um profissional e num ambiente seguro.

Biomagnetismo: terapia com ímanes para os problemas de estômago

 

A terapia biomagnética ou terapia do par biomagnético deu provas de ser uma das alternativas ao tratamento dos problemas estomacais. Para aprofundar um pouco mais este assunto, vamos falar da sua aplicação e respetivos benefícios para dores de estômago.

O que é a terapia com ímanes ou o biomagnetismo

A terapia magnética surgiu em 1988 pela mão do médico mexicano, Isaac Goiz Durán. Os seus estudos baseiam-se na ideia de que um desequilíbrio do pH do corpo está na origem de muitas das doenças de que as pessoas padecem atualmente. Graças aos ímanes, o equilíbrio é restaurado ao organismo, reduzindo o nível de acidez ou alcalinidade do pH.

É importante saber que o corpo humano é uma espécie de campo magnético, cheio de iões pelos quais a eletricidade viaja. O biomagnetismo trabalha atualmente em cerca de 300 pontos distribuídos por todo o corpo. Estes pontos são estimulados com ímanes para encontrar as fraquezas do paciente. Nessas áreas, é colocado um íman positivo e outro negativo para realizarem a sua função em sessões de cerca de 30 minutos. Esta terapia é recomendada para todos os tipos de doenças, exceto para mulheres grávidas ou pessoas com cancro.

Benefícios do par biomagnético para o estômago

Os problemas intestinais e gástricos podem ser tratados com recurso à terapia com ímanes. As infeções gastrointestinais (helicobacter pylori) e as intoxicações são os problemas mais comuns. Esta terapia permite combater tanto as bactérias como as alterações nos ácidos gástricos, reduzindo sintomas, tais como:

  • Vómitos.
  • Náuseas.
  • Perda de apetite.
  • Dores abdominais.
  • Abatimento e fraqueza.
  • Flatulência e arrotos frequentes.
  • Estômago inchado.
  • Perda de peso involuntária.
  • Sensação de estômago vazio.
  • Ruídos intestinais.
  • Alterações do metabolismo, etc.

A terapia com ímanes pode ser usada para tratar mais de 120 doenças. Relativamente aos problemas de estômago, o biomagnetismo consegue estimular e reabilitar os tecidos danificados, reduzir as dores e a inflamação, bem como acabar com uma grande quantidade de parasitas e bactérias. Uma delas, a bactéria nociva Helicobacter Pylori ou a Escherichia Coli.

É importante destacar que o tratamento com ímanes para resolver problemas gastrointestinais é realizado sem dor e de forma segura. Uma vez confirmado o diagnóstico do paciente, procede-se à escolha de ímanes com base na sua polaridade e força. A intenção é corrigir a alteração iónica produzida pela bactéria ou parasita, ou se for caso disso, pela intoxicação. O número de sessões será decidido pelo especialista de acordo com as necessidades do paciente e até que seja obtido o equilíbrio em falta por força da doença.

Aug 13, 2019

O que é a biodescodificação e para que é usada?

O que é a biodescodificação e para que é usada?

De entre as terapias naturais, a biodescodificação é atualmente uma das mais recomendadas. Trata-se de um método de cura tanto a nível físico como emocional que nos ensina a ouvir as mensagens do nosso corpo. Neste momento, pretendemos aprofundar o tema para averiguar como se utiliza e quais são os seus benefícios para a saúde.

Em que consiste a biodescodificação

A biodescodificação é uma terapia de cura física e emocional. Uma proposta de cura inovadora que ajuda o nosso corpo a recuperar a saúde. Como? Este método permite-nos ouvir o corpo. Cada sintoma, desconforto ou condição torna-se uma orientação para a cura. Desta forma, é possível localizar a causa mais enraizada da doença.

A descodificação baseia-se no facto de toda a doença ser uma consequência da nossa forma de pensar ou ver a vida. Estes sinais emocionais criam códigos que alteram o comportamento das nossas células, fazendo com que as doenças se manifestem com maior probabilidade. Isto é, quanto mais limitado seja o pensamento de uma pessoa, mais vulnerável será a sua saúde. As emoções e as relações perante os acontecimentos da vida são os recursos com os quais a biodescodificação trabalha.

O que é que a descodificação cura?

É possível decodificar qualquer tipo de mal-estar? A resposta é sim. O nosso inconsciente procura constantemente manifestar-se de formas diferentes. E uma delas é através do corpo. O oculto é acompanhado sempre por uma emoção somática. É o aquilo que designamos como inconsciente biológico. Ou o que significa a mesma coisa, todas as doenças têm a sua razão de ser. Graças à biodescodificação, procura-se a origem ou sentido biológico do mal-estar para estimular os recursos necessários para a cura.

 

emoção somática.

Técnicas utilizadas na terapia de descodificação

Uma terapia de descodificação pode ser levada a cabo por diferentes tipos de técnicas. As mais comuns são a hipnose, a psicogenealogia, a programação neurolinguística, EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de movimentos oculares) e a sofrologia. Por outro lado, também são realizadas sessões, tais como:

  • A linha do tempo.
  • A técnica das posições percetivas.
  • A âncora para o tratamento de dificuldades emocionais.
  • Técnicas de integração cerebral (TIC).
  • Terapia familiar.

Em suma, a decodificação procura ensinar o indivíduo a não retroalimentar a doença ou más experiências passadas. Uma cura emocional, neste sentido, também implica uma cura física produzida por emoções inconscientes e reprimidas. Este método de cura permite à pessoa viajar até às profundezas do seu ser para resolver feridas passadas.

Pages:«1234567»